domingo, 24 de fevereiro de 2013

Palácio de Versalhes: um símbolo do absolutismo

Considerado patrimônio da humanidade desde os anos 30, o Palácio de Versalhes constituiu uma das mais belas obras da arte francesa do século XVII



Localizado na cidade de Versalhes,nos arredores de Paris,o Palácio de Versalhes é um dos pontos turísticos mais visitados da França.A majestosa construção,com 2 mil janelas,700 quartos e 1.250 lareiras,foi erguida para ser a sede da corte de Luís XIV.A obra exigiu uma grande soma de riquezas para ser concluída.A principal origem dessa riqueza eram os impostos cobrados do povo.

As obras foram iniciadas em 1664.Nela trabalharam cerca de 37 mil operários,vindos de toda a França,e 6 mil cavalos foram usados para puxar os carros que transportavam as pedras,os blocos de mármore e as vigas de sustentação do edifício.Concluída a obra,em 1682,o rei Luís XIV,a família real e toda a corte instalaram-se no palácio,que se transformou no maior símbolo do absolutismo francês.

A etiqueta no cotidiano do palácio





O palácio não era apenas a sede do poder político da monarquia francesa.Lá o rei e sua nobreza realizavam diversas festas,muitas das quais duravam dias.

Tanto as grandes festas e cerimônias quanto os fatos rotineiros,como o despertar ou urinar do rei Luís XIV,eram rituais que obedeciam a severas regras de conduta.Passar diante do quarto de Luís XIV,por exemplo,exigia que o cortesão curvasse o joelho,como se estivesse diante do altar.

Cada integrante da nobreza também se diferenciava e se destacava do outro pela maneira como cumprimentava ou era cumprimentado pelo rei.As boas maneiras eram um meio de diferenciar a nobreza dos burgueses.

A moda era outra forma de distinguir os burgueses dos nobres,e ainda de diferenciar os nobres mais poderosos dos menos influentes.Ser capaz de inovar no vestuário e de ser imitado demonstrava prestígio e,acima de tudo,poder.As boas maneiras e o vestuário eram formas de mostrar a importância de cada um em relação ao rei,a figura que era,de fato,o centro das atenções.





Nenhum comentário:

Postar um comentário