quarta-feira, 31 de julho de 2013

A Fotografia Chega ao Brasil

Segundo pesquisas realizadas pelo fotógrafo e estudioso de fotografia Boris Kossoy,o francês Hércules Florence (1804-1879),que morava no Brasil,já vinha fazendo,desde 1833,alguns avanços na técnica de registrar imagens,com o objetivo de imprimir rótulos de produtos farmacêuticos e diplomas maçônicos.

"Pátria da luz,morada do sol,o Brasil conheceu muito cedo a invenção de Daguerre,poucos meses depois do anúncio oficial de sua invenção,feito em Paris a 19 de agosto de 1839.Com efeito,já em 17 de janeiro de 1840 o abade francês Louis Compte,capelão da fragata L'Orientale,tirou os primeiros daguerreótipos em território brasileiro.
[...] Sensível ao prodígio do novo meio de expressão apesar de sua pouca idade (fizera 14 anos no dia 2 de dezembro do ano anterior),um rapazola carioca tornou-se o primeiro brasileiro a adquirir e utilizar um equipamento de daguerreotipia,em março daquele mesmo ano de 1840: Pedro de Alcântara João Carlos Leopoldo Salvador Bibiano Francisco Xavier de Paula Leocádio Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Bragança e Habsburgo."

(VASQUEZ,Pedro.A fotografia no império.Rio de Janeiro: Jorge Zahar,2002.p.8-9.Coleção Descobrindo o Brasil)



(Hércules Florence)


Entretanto,oficialmente,consideram-se o ano de 1839 e os trabalhos de Daguerre como ponto de partida da fotografia.Oficialmente também o invento de Daguerre chegou ao Brasil em 1840,trazido pelo abade Compte.



(Louis Daguerre)


Como o daguerreótipo consistia numa peça única e o processo para sua obtenção era caro,a burguesia viu nele a possibilidade de perpetuar a sua imagem,assim como os nobres faziam ao contratar os pintores para fazer seus retratos.

Mas nas décadas de 1850 e 1860,com o aprimoramento dos recursos técnicos,houve um barateamento dos custos de um retrato,o que o tornou acessível a um grande número de pessoas e apressou a divulgação da fotografia entre nós.

O passo seguinte foi o documentário fotográfico.Nesse campo destacaram-se Marc Ferrez (1804-1879) e Militão Augusto de Azevedo (1837-1905).Marc Ferrez preocupava-se não apenas em registrar um fato mas também em compor com arte uma cena.



(Marc Ferrez,1876)


Militão Augusto de Azevedo tem como obra importante o Álbum Comparativo da Cidade de São Paulo,em que mostra mais de uma foto dos mesmos locais;tiradas dos mesmos ângulos mas em ocasiões diferentes,apresentando assim as transformações urbanas que a cidade sofreu entre os anos de 1862 e 1887.



(Igreja de N.Sa.dos Remédios e Largo da Cadeia em 1862)


(Igreja N.Sa.dos Remédios e Largo da Cadeia em 1887)



A fotografia brasileira desenvolveu-se muito na passagem do século XIX e esteve presente em exposições internacionais,tal como a Exposição de St.Louis,nos Estados Unidos,em 1904.Dessa mostra participou,entre outros,o fotógrafo brasileiro Valério Vieira (1862-1941),que apresentou a interessante fotomontagem Os Trinta Valérios,em que aparecem trinta figuras numa sala,todas com o rosto do próprio fotógrafo.


(Os Trinta Valérios,1890)


Quatro anos depois,em 1908,Valério ganhou o prêmio na Exposição Nacional do Rio de Janeiro com uma foto de doze metros de extensão - Panorama da Cidade de São Paulo.


FONTE: PROENÇA, Graça. História da Arte. 2005.
        
BRAICK, Patrícia Ramos; MOTA, Myriam Becho. História, das cavernas ao terceiro milênio: Da conquista da América ao século 19. 2010.




Nenhum comentário:

Postar um comentário