sábado, 2 de novembro de 2013

História da cidade de Parintins - AM

Vista aérea da cidade.

Sabe-se que a denominação da Cidade de Parintins vem dos índios Parintins ou Parintintins,antigos habitantes da região.A cidade está situada a margem direita do rio Amazonas,na extremidade oriental de uma ilha muito grande,que fora habitada pelos índios Tupinambás,Maués e Sapupés.

A sua fundação deve-se ao súdito português José Pedro Cordovil,que veio com seus escravos e agregados para se dedicar à pesca do pirarucu e à agricultura,em 1796.Tomando posse do trato de terra,deu-lhe o nome de Tupinambarana,lembrando uns índios que,pela denominação,não eram os Tupinambás,como veremos.A palavra traz uma interpretação interessante e que não está muito distanciada da realidade.O primitivo nome de Parintins,Tupinambarana,pode ser estudado conforme os elementos de que se compõe.Em primeiro lugar apreciaremos a palavra Tupinambá,e,em seguida a mesma,acrescida do sufixo rana.Tupinambá,homem viril,homem forte,vem de Tupi,grande nação indígena do Brasil,cuja palavra quer dizer,os da primeira geração,principais,parentes; e,nambás,que é uma corruptela da negativa nembá,não,nada existente.Traduz-se: Não é Tupi.Rana,é uma contração de arana,falso,ilegítimo.Desta maneira,Tupinambarana,ao pé da letra seria: Não é Tupi ilegítimo ou falso.Logo,a tradução do nome que designou o lugar,deve ser: Tupi verdadeiro.Tupinambá,é a mesma nação dos Caranis ou Guaranis,que significa: Não é poderoso;não é guerreiro,o que realmente contrasta com os Tupis,poderosos e guerreiros.Os Tupinambás embora homens fortes e viris,(vieram se localizar na ilha que recebeu o seu nome) sempre fugiram das perseguições dos inimigos,aos quais não podiam oferecer resistência capaz de se manterem nos seus velhos postos,onde várias vezes foram derrotados.


Vista aérea da cidade,1953.

Com estes elementos foi que Pedro Cordovil lançou os fundamentos de Parintins.Depois,Dona Maria I,de Portugal,concedendo a José Pedro Cordovil um vasto terreno a título de sesmaria,em outro local,os interesses chamaram-no a nova propriedade.Com sua saída e sem pretender deixar o sítio ao abandono,Cordovil teve a feliz lembrança de ofertar Tupinambarana a sua rainha.Aceita a oferta,em 1804,D.Maria I,mãe de Dom João VI,mandou elevar o sítio em Missão com o nome de Vila Nova da Rainha,cuja direção foi confiada ao carmelita Frei José das Chagas.

Casas no porto da cidade,1953.

O nome da Missão assim,se impunha com acerto,uma vez que a propriedade passou a ser da Rainha,a título de doação feita por quem de direito assistia faze-la.Com a organização da Comarca do Alto Amazonas,pelo decreto de 25 de junho de 1833,do governo do Pará,a Missão Vila Nova da Rainha foi elevada a freguesia com o nome de Freguesia de Nossa Senhora do Carmo de Tupinambarana.Ainda por lei do Pará,em sessão de 13 de setembro de 1852,da Assembléia Legislativa,os Deputados,Vigário da Freguesia de Vila Bela da Imperatriz,Padre Torquato Antônio de Sousa,José Bernardo Miquiles e Joaquim José da Silva Meireles,apresentaram um projeto,que convertido em Resolução número 2,de 15 de outubro de 1852,elevou definitivamente a Freguesia a categoria de Vila,com a denominação que possuía,permanecendo como Freguesia ou Colégio Eleitoral do Termo de Luzéia.

Orla da cidade,1918.

A lei número 82,de 24 de setembro de 1858,criou a Comarca de Parintins,constituída pelos municípios das vilas de Maués e Bela Imperatriz,cujo projeto pertenceu ao Deputado provincial Manuel Tomaz Pinto.A Lei número 92,de 6 de novembro do mesmo ano,reconheceu como Freguesia da Província,para os efeitos civis e eclesiásticos,a Freguesia de Vila Bela da Imperatriz.Ainda no mesmo ano de 1858,os Deputados Padre Antônio Augusto de Matos,Padre Romualdo Gonçalves de Azevedo,Padre Manuel de Cupertino Salgado e José Antônio de Andrade Barros,em sessão de 6 de novembro,apresentaram um projeto de lei elevando a Vila Bela da Imperatriz a categoria de cidade,com a denominação de Santa Leopoldina,em honra da Primeira Imperatriz do Brasil,Arquiduquesa Leopoldina,também a primeira esposa de Dom Pedro I,cujo projeto não teve andamento.

Cine Saul.1950.Foi um dos primeiros cinemas de Parintins.Se destacava pela sua arquitetura.


Pelo projeto do Deputado a Assembléia Provincial,Emílio José Moreira,convertido em Lei número 499,de 30 de outubro de 1880,ficou Vila Bela da Imperatriz elevada a categoria de cidade, com a denominação de Parintins,nome anteriormente dado a Comarca.A florescente Vila Bela da Imperatriz foi solenemente instalada em 14 de março de 1853 e a cidade de Parintins,em 25 de dezembro de 1880.O nome da Vila Bela,provém de uma cortesia a Terceira Imperatriz do Brasil,Dona Tereza Cristina,esposa de Dom Pedro II.Com a proclamação da República,o Decreto número 4,de 10 de janeiro de 1890,dissolve a Câmara Municipal da Cidade de Parintins,sendo  nomeado o superintendente o Dr.Francisco Caetano da Silva Campos,juiz de Direito da Comarca.

A divisão administrativa de 1911, figurou o município com quatro distritos: Parintins, Paraná de Ramos, Jamundá e Xibuí.
No período revolucionário,foi mantido como um dos municípios do Estado,pelo Ato número 45,de 28 de novembro de 1930,referendado pelo Ato número 33,de 14 de setembro de 1931.Em 1933, aparece no quadro da divisão administrativa com um distrito apenas – o de Parintins. Em 1 de dezembro de 1938, pelo decreto-lei estadual nº 176, é criado o distrito da Ilha das Cotias, passando assim o município a constituir-se de dois distritos: Parintins e Ilha das Cotias.
Em 24 de agosto de 1952, pela lei estadual nº 226, a comarca de Parintins perdeu os termos judiciários de Barreirinha e Urucará, que foram transformados em comarcas. Em 19 de dezembro de 1956, pela lei estadual nº 96, foi desmembrado do município de Parintins o distrito da Ilha das Cotias, que passou a constituir o município de Nhamundá. Em 10 de dezembro de 1981, pela emenda constitucional nº 12, o território de Parintins é acrescido do distrito de Mocambo.

Parintins é um município fronteiriço com o estado do Pará.

O nascer do boi-bumbá de Parintins e seu crescimento

                                                            Garantindo e Caprichoso

Os bois de Parintins são a maior expressão cultural do Amazonas.O Festival que ocorre na cidade é mundialmente conhecido.Essa manifestação cultural movimenta é responsável por movimentar a economia da região,impulsionar o turismo e,acima de tudo,manter a identidade regional dos povos que habitam a Amazônia.Sobre a origem dos bois,Leandro Tapajós* afirma:

"A tradição oral de Parintins conta, em versões variadas, que o Boi Caprichoso foi criado pelos Irmãos Cid e o Boi Garantido pelo parintinense Lindolfo Monteverde.
Os irmãos João Roque, Félix e Raimundo Cid nasceram em Crato, no Ceará. Eles vieram para o Amazonas em busca de trabalho em seringais da borracha, se encantaram com a ilha de Parintins e resolveram viver na cidade.
Uma das versões conta que Roque Cid, teria feito uma promessa para São João após enfrentar algumas dificuldades financeiras e de saúde já em Parintins. Outra versão diz que os irmãos Cid fizeram uma promessa para conseguir uma boa vida, ainda no Ceará, e partiram em busca de uma nova terra.
Independente do motivo que gerou a promessa, o pagamento após a realização do pedido seria o ato de colocar um boizinho para brincar nas ruas em homenagem ao santo. A promessa foi atendida e o boi passou a brincar nas ruas de Parintins.
Supostamente, a origem do nome Caprichoso se deu após os Cid conhecerem o advogado parintinense José Furtado Belém. Ele já conhecia um outro boi-bumbá chamado de Caprichoso, que brincava no bairro Praça 14, em Manaus, então sugeriu a adoção do mesmo nome. A sugestão foi acatada e o boi dos Cid batizado como Caprichoso.
Em 1913 nasceu o boi-bumbá Caprichoso, que teve José Furtado como seu primeiro padrinho.
Há moradores mais antigos da ilha de Parintins que contradizem essa versão e acreditam que os bois Galante e Garantido nasceram antes do Caprichoso.
O boi Galante teria sido criado por Emílio Vieira, também conhecido como o Tracajá. Devido a uma briga interna, Emilio teria deixado o boi de lado e os irmãos Cid passaram a tomar conta do bumbá. O fato teria ocorrido em 20 de outubro de 1913, data considerada como o dia oficial da fundação do Caprichoso.
O boi-bumbá Garantido foi fundado por Lindolfo Monteverde, um negro parintinense, descendente de nordestinos. Os seus familiares contam que após contrair malária em um seringal, foi feita uma promessa para São João. Se a saúde de Monteverde fosse restabelecida ele colocaria um boizinho para brincar nas ruas em honra ao santo.
São João atendeu a súplica e nasceu em 1913 o boi-bumbá Garantido. Os primeiros anos de brincadeira contavam com a participação de Pai Francisco, Catirina, Mãe Maria, pai da Mata, Gazumbar e vaqueiros".

*Leandro Tapajós é jornalista, possui trabalhos publicados sobre o Boi-bumbá de Parintins, entre eles um ensaio na Revista Internacional de Folkcomunicação.


FONTES: MELLO,Octaviano Augusto Soriano de.Topônimos Amazonenses;nomes das cidades amazonenses,sua origem e significação.2.ed.Manaus,Imprensa Oficial,1986.

http://www.boideparintins.com.br - O nascer do boi-bumbá de Parintins e o seu crescimento.Texto de Leandro Tapajós.Acesso em: 04/11/2013.


CRÉDITO DAS IMAGENS: http://biblioteca.ibge.gov.br
                                                       http://www.seplan.am.gov.br
                                                       https://www.facebook.com/parintinsdeantigamente?fref=ts
                                                       garanchoso.blogspot.com







Um comentário:

  1. Parabéns pela informação, uma contribuição educacional para um publico variado, sendo do ensino fundamental, médio e superior. Para manter este padrão de qualidade, uma sugestão: publique ou post sobre historia dos surgimentos dos bairros da cidade de Parintins, sua criticidade é muito importante na contribuição educacional.
    Prof. Aelson de Lima Ferreira
    Acadêmico de Geografia - 3° Período
    UEA - Universidade do Estado do Amazonas
    CESP - Centro de Ensino Superior de Parintins
    email: profaelson50@yahoo.com.br

    ResponderExcluir