segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Padre Antônio Vieira e a Crítica à Corrupção

 Retrato do Padre António Vieira, de autor desconhecido do início do século XVIII.

Padre Antônio Vieira nasceu em Lisboa, em 1608, e morreu na Bahia, em 1697. Com sete anos de idade, veio para o Brasil e entrou para a Companhia de Jesus.Foi defensor dos índios contra as tentativas dos colonos de escravizá-los e chegou a ser preso pela inquisição.Além de ser um grande orador sacro,foi também um crítico severo de certos aspectos das relações entre colônia e a metrópole. No texto abaixo,ele denuncia ao rei a superexploração da colônia,a corrupção,o desvio de dinheiro público e a política falha que dominava a região.  


" Perde-se o Brasil,Senhor (digamo-lo em uma palavra),porque alguns ministros de Sua Majestade não vêm cá buscar o nosso bem, vêm buscar nossos bens.El-rei manda-os tomar Pernambuco,e eles contentam-se com o tomar.Esse tomar o alheio,ou seja,o do Rei ou o dos povos,é a origem da doença; e as várias artes e modos e instrumentos de tomar são os sintomas,que,sendo de sua natureza muito perigosa,a fazem por momentos mais mortal.

E senão,pergunto,para que as causas dos sintomas se conheçam melhor: - Toma nesta terra o ministro da Justiça ? - Sim,toma. - Toma o ministro da Fazenda ? - Sim,toma.Toma o ministro da Milícia ? - Sim,toma. - Toma o ministro do Estado ? - Sim,toma.

E como tantos sintomas lhe sobrevêm ao pobre enfermo,e todos acometem à cabeça e ao coração,que são as partes mais vitais,e todos são atrativos e contrativos do dinheiro,que é o nervo dos exércitos e das repúblicas,fica tomado todo o corpo e tolhido de pés e mãos,sem haver mão esquerda que castigue,nem mão direita que premie; e faltando a justiça punitiva para expelir os humores nocivos e a distributiva para alentar e alimentar o sujeito,sangrando-o por outra parte os tributos em todas as veias,milagre é que não tenha expirado." 

FAORO,Raimundo.Os donos do poder. 9. ed.São Paulo: Globo,1991. v. 1,p.173.

CRÉDITO DA IMAGEM: http://commons.wikimedia.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário