sábado, 28 de dezembro de 2013

As Bandeiras

Domingos Jorge Velho, um bandeirante paulista. Pintura de 1903.

 
Enquanto a economia das capitanias do Nordeste era baseada na agricultura para exportação,especialmente a cana-de-açúcar,a economia da região de São Vicente era baseada no consumo local.Os paulistas utilizavam em suas lavouras escravos indígenas.A presença de negros era pequena.Como a produção não destinava-se a exportação,os colonos paulistas não tinham recursos para comprar escravos africanos,que eram bastante caros.

Durante os séculos 17 e 18,grupos de paulistas organizaram diversas expedições de captura de índios,ataque a quilombos e a busca por metais preciosos.Os índios e os negros capturados eram vendidos para os engenhos do Nordeste e empregados na lavoura paulista.Como essas bandeiras eram contratadas e pagas por fazendeiros ou pela administração colonial,elas ficaram conhecidas como bandeiras de contrato.A que mais se destacou foi a de Domingos Jorge Velho,que venceu a resistência dos índios cariris e janduís e destruiu o quilombo dos Palmares,no final do século 17.Os bandeirantes atacaram missões jesuíticas no Mato Grosso e no Rio Grande do Sul,capturando vários índios,muitos já aculturados e de melhor "domesticação".

O período de ouro das bandeiras de apresamento indígena foi durante o domínio holandês em Pernambuco e em Angola,na África.Os senhores de engenho da Bahia passaram a ter dificuldades em obter escravos para seus engenhos e,com isso,passaram a recorrer aos índios capturados pelos bandeirantes,impulsionando cada vez mais as bandeiras.

No entanto,a segunda metade do século XVII marcou o declínio do bandeirismo de apresamento. Em 1648, com a reconquista de Angola, o abastecimento de escravos africanos foi normalizado. A expulsão dos holandeses do Nordeste, restabelecendo o tráfico negreiro, e a crise da economia açucareira provocaram o declínio das bandeiras de caça ao índio.

As mais importantes bandeiras foram as destinadas a procura de metais preciosos,incentivadas pela metrópole devido ao declínio da economia açucareira nordestina da segunda metade do século 17.Graças a essas expedições,foi descoberto ouro em Minas Gerais e,posteriormente em Mato Grosso e Goiás.Iniciava-se um novo ciclo econômico do Brasil Colônia.Em 1693,Antônio Rodrigues de Arzão descobriu ouro em Cataguases,atual Minas Gerais; em 1698,Antônio Dias Oliveira descobriu ouro em Vila Rica,atual Ouro Preto; e,em 1700,Borba Gato encontrou ouro em Sabará.

A descoberta do ouro atraiu portugueses,estrangeiros e colonos de outras regiões para as minas.Esses forasteiros entraram em conflito com os paulistas,que os apelidaram de "emboabas" (Veja - Guerra dos Emboabas).Os emboabas venceram o conflito e expulsaram os primeiros povoadores da região.

Depois desse conflito,os bandeirantes paulistas passaram a procurar metais preciosos em outras regiões do interior,como Mato Grosso e Goiás.Em 1719,Pascoal Moreira Cabral descobriu ouro em Cuiabá e,em 1722,Bartolomeu Bueno Filho achou riquezas em Goiás.

As bandeiras contribuíram para a ocupação e o povoamento do interior do Brasil,fundando povoados,vilas e iniciando um dos mais importantes ciclos econômicos do Brasil.Por outro lado,as ações bandeirantes contribuíram para o extermínio de várias tribos e para a escravidão.Um outro ponto do bandeirismo foi a consolidação da presença portuguesa além do Tratado de Tordesilhas,modificando consideravelmente as fronteiras da colônia.


 
CRÉDITO DA IMAGEM: http://pt.wikipedia.org





  

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário