quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Práticas Educacionais Jesuíticas


Na escola dos jesuítas, se ensinava gramática, retórica, música e poesia. Para conseguirem catequizar os índios, os jesuítas aprenderam várias línguas nativas e criaram dicionários e gramáticas nesses idiomas. Uma das práticas mais interessantes dos padres jesuítas eram as encenações ao ar livre. Com essas encenações, os padres buscavam facilitar a evangelização dos índios e atrair os portugueses que vieram forçados da colônia ou os que se afastaram da Igreja. Com o passar do tempo, essas encenações deixaram de representar somente um processo religioso, e transformaram-se em um espaço de diversão e festividade da vida colonial.

" Os padres da Companhia de Jesus [...] realizavam, sempre que possível, encenações ao ar livre que auxiliassem na evangelização indígena e, ao mesmo tempo,servissem como atrativo aos muitos portugueses que vieram forçados para a colônia e se afastaram da Igreja. [...]

Como não havia local específico para as representações teatrais, elas saíram do interior dos pátios e salões das escolas para terrenos em volta das igrejas, depois ganharam ruas e praças, combinado-se com procissões e festas.[...]

Essa encenação religiosa ao ar livre adquiriu a importância de acontecimento-chave da vida colonial, propiciando não só momentos criados pelo fervor religioso,mas um espaço de diversão ao incorporar um tom teatral a festividade. [...] 

Em 1583, o padre Manuel da Nóbrega registrou a representação do Diálogo sobre a Conversão de Deus [...],uma demonstração exemplar do uso do espaço aberto na colônia,com atores misturando procedimentos de interpretação propostos pelos jesuítas aos jogos corporais próprios das danças indígenas,e declamando textos que articulavam português,latim e tupi."

CARREIRA, André. Espetáculos a céu aberto. Nossa história, ano 2,n.15, jan. 2005.p. 50-51.


CRÉDITO DA IMAGEM: http://www.estudopratico.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário