sábado, 4 de janeiro de 2014

História do Tabaco

 Farmacêutico fumando "por Adriaen van Ostade", 1646.

Sabe-se que o tabaco é de origem americana; no entretanto, há escritores como Lotario Becker, que pretendem que seja uma planta asiática, e que tenha podido ser levada em tempos muito remotos para o Novo Continente. Becker demonstra que na Pérsia, por exemplo, cultivou-se e fumou-se uma ou talvez mais espécies de tabaco, muito antes da descoberta da América, Outros supõem que o tabaco é uma erva africana, baseando-se em que não é crível que este vegetal pudesse generalizar-se tanto em todo aquele continente, e enraizar-se em usos tão diferentes nos costumes dos povos depois do descobrimento da América. Alguns viajantes da Austrália, com iguais argumentos, sustentam que o tabaco é oriundo do norte daquele continente, e citam em seu favor as comunicações de Cook, Gregory, e outros, sobre plantas narcóticas que viram mascar, fumar ou sorver em forma de pó. Mas também é certo, que em parte alguma se menciona, que o tabaco existisse no velho mundo antes do descobrimento da América, o que leva a crer que seja esta efetivamente a sua verdadeira pátria.

Cristóvão Colombo, em 1492, abordou a ilha de S. Salvador, e fê-la reconhecer por Luís de Torres e Rodrigo de Jerez, os quais notaram, nas margens do rio Canau, que os habitantes de ambos os sexos fumavam por meio dum instrumento, denominado pelos indígenas tabacos, composto dum pequeno tubo, dividido em duas partes, de diferente calibre; introduziam a mais estreita na boca para absorver o fumo; e a mais larga servia para conter folhas secas de cohiba, nome dado pelos naturais da ilha Guanahani (S. Salvador) à nicotina. A maioria, porém, desta pobre gente substituía o tubo pelas próprias folhas enroladas, em guisa de tosco charuto, constituindo os chamados canudinhos. 

 Clube de fumo, Inglaterra, século 17.

O navegador espanhol Rodrigo de Jerez, o primeiro europeu a fumar, logo percebeu isso. De volta à Europa, ao fumar em público, foi preso por três anos. O hábito era considerado uma selvageria. Além disso, os europeus notaram que a planta capturava a vontade humana. “Não está em seu poder evitar o hábito”, disse Colombo, ao notar a avidez dos marinheiros pela planta. Os europeus não sabiam o que era vício e não entendiam o simbolismo indígena do tabaco. Na verdade, eles pouco entendiam dos índios. A começar da língua. Tanto que a palavra tabaco vem de dattukupa, que significa “nós estamos fumando”, em um dialeto indígena. Os europeus achavam que era o nome da planta.

Mas aos poucos a erva ganhou adeptos. Logo notou-se que ela afetava o corpo, o que atraiu a curiosidade médica. E foi para divulgar a nova medicina que o médico e diplomata Jean Nicot enviou as primeiras sementes à rainha da França, Catarina de Médici. Em sua homenagem, a planta foi batizada como Nicotiana tabacum. Em pouco tempo, tabaco virou remédio para tudo, indicado para crianças que comem muita carne, para pedra no rim e até para tratar mordidas de tigre.


Em 50 anos o tabaco conquistou o mundo. Em 1542, já havia samurais fumando. As tribos africanas costeiras adoraram a planta e a levaram às aldeias interioranas séculos antes de os primeiros brancos chegarem lá. Nem o islamismo impediu sua circulação e a planta foi admitida nos países árabes, onde o álcool era proibido.


A prosperidade do tabaco contrastava com a de seus descobridores. Na América, a vida dos pioneiros ingleses instalados nos Estados Unidos ia mal. A expectativa de vida era de míseros seis meses. Tudo mudou em 1612, graças ao colonizador John Rolfe. Ele trouxe mudas de tabaco, que começou a cultivar na recém-instalada colônia da Virgínia. No mesmo ano, casou-se com a princesa índia Pocahontas. Com a ajuda da tribo dela e a venda da erva, a colônia tornou-se sustentável. A colheita de 1618 foi de 9 toneladas. No final do século, subira para 17 mil toneladas. Tabaco era o principal produto de exportação e razão de ser da comunidade, a ponto de virar moeda. Comprava-se de tudo com a planta, de refeições a esposas. Não por acaso, a primeira lei da assembléia dos colonos tratava da erva: determinava um preço mínimo. Muitas figuras históricas americanas envolveram-se com a planta. A família de George Washington, o primeiro presidente, vivia do comércio da erva.

Gravura de Angelo  Biasioli (1790-1830). Escravos preparando tabaco, estado da Virgínia, EUA.
 

E Thomas Jefferson, autor da declaração de independência dos Estados Unidos, era um fazendeiro de tabaco.Na Europa, a planta invadia o cotidiano. A primeira forma de uso a popularizar-se foi o rapé, e as caixinhas onde os homens traziam o pó eram uma marca pessoal. Seu desenho e os modos de seu dono ao abri-la distinguiam sua classe social. Na Inglaterra, a moda envolvia o cachimbo, considerado tão sedutor que as mulheres exigiam que o marido o largasse depois de casar.A associação do tabaco com sexo foi uma invenção européia. Na Espanha, a Tabacalera, a indústria estatal que chegou a ter o maior prédio industrial do mundo, contratava ciganas para fabricar charutos. No calor mediterrâneo, elas trabalhavam em roupas diminutas. Aquilo virava a cabeça dos escritores, entre eles o francês Prosper Mérimée, autor de Carmen, que depois seria imortalizada na ópera homônima. Carmen fumava papelotes, que se popularizaram na França, onde foram rebatizados de cigarettes (como os cigarros são conhecidos também em inglês).

Fábrica de Tabacos. Anúncio do início do século 20.

A oposição ao tabaco crescia com seu consumo. Um dos mais notórios oposicionistas foi o rei inglês James I, do século 17. “Fumar é um costume repulsivo para os olhos, detestável para o olfato, daninho para o cérebro, perigoso para os pulmões”, dizia. Mas ele foi ignorado. O imperador otomano Murad IV proibiu o fumo e, para fiscalizar, vestia-se de mendigo e implorava por umas baforadas. Quem dava tabaco a ele era decapitado. Estima-se que 25 mil foram mortos em 14 anos. Nem os colonos americanos livraram-se da sanha reguladora. As colônias ao norte dos Estados Unidos, fundadas pelos quackers, uma gente puritana e centrada no trabalho, não gostavam daquela planta. Logo surgiram proibições.

Apesar disso, o comércio prosperava. O tabaco foi um dos primeiros produtos a desenvolver marcas comerciais. Na primeira metade do século 18, esse conceito sofisticou-se e o produto passou a ser vendido com embalagens e slogans. Um grande impulso veio em 1880, com a invenção da máquina de fazer cigarros. James Buck Duke, um americano que vendia a erva, comprou duas máquinas e inovou não só a fabricação, mas também a venda, gastando 20% de seus lucros em propaganda. Logo dominou o mercado. Os cigarros eram mais práticos e mais saborosos, e o consumo de tabaco cresceu 50% nas duas últimas décadas do século 19.

O crescimento da indústria coincidiu com uma nova onda de oposição ao fumacê. As pessoas começavam a perceber que cigarro e doença andavam juntos e no final do século 19 a venda para jovens foi proibida na Inglaterra e nos Estados Unidos. Não era sem tempo. Algumas décadas antes, estudantes ingleses levavam à escola um cachimbo cheio e tinham aulas de fumo.

Nos Estados Unidos e na Inglaterra, as indústrias locais, após anos disputando o mercado, se uniram. Nos Estados Unidos, nasceu a American Tobacco Company, que Duke presidiu. Na Inglaterra, surgiu a Imperial Tobacco Company. Logo as duas perceberam que também não valia a pena disputar entre si e chegaram a um acordo: cada uma cuidaria de seu quintal, e as duas criavam a British American Association (BAT), para explorar os mercados do mundo todo. Uma das primeiras aquisições da BAT foi a empresa brasileira Souza Cruz, criada em 1903 pelo imigrante português Albino Souza Cruz.

A Primeira Guerra Mundial transformou o público consumidor ao introduzir as mulheres no mercado de trabalho. Uma das primeiras marcas lançadas para elas foi o Marlboro, que décadas depois seria associado à macheza do cowboy. Em pouco tempo, as mulheres descobriram que o gesto de fumar poderia ser uma nova forma de sedução. E as empresas glamourizaram ao máximo as baforadas femininas.

O cinema foi uma bênção para os fabricantes de cigarro e o associou ao sexo de uma vez por todas. Como não se podia nem exibir beijos na tela, os insinuantes gestos femininos ao fumar substituíram as cenas picantes. Toda estrela tinha pelo menos uma foto no portfólio segurando um cigarro. Aos poucos,associação cinema-cigarro profissionalizou-se: entre 1978 e 1988, 188 atores e diretores receberam cachê para incluir baforadas nos filmes. Em 1988, o governo americano proibiu a prática, mas a exposição do cigarro na telona continuou. Uma análise dos 250 filmes americanos mais populares da década de 90 mostrou que 87% deles exibiam alguém fumando.

 Plantação da Souza Cruz em meados do século XX.


No Brasil...

Inicialmente a produção de tabaco no Brasil ocupou áreas reduzidas e concentradas entre Salvador e Recife, no Recôncavo Baiano. Na primeira metade do século XVII, durante a ocupação holandesa em Pernambuco, o tabaco produzido naquela Capitania ocupou papel importante na carteira comercial de produtos oferecidos pela Companhia das Índias Ocidentais. Com a expulsão dos holandeses, começaram a aparecer as primeiras legislações reguladoras da atividade produtiva. Em 1674, o monopólio da metrópole foi garantido, através da criação da Junta de Administração do Tabaco, cujas determinações estabeleceram as regras para todas as colônias portuguesas.

Já no final do século XVII, uma legislação tentou regular o comércio a partir do controle das cargas transportadas devido às vastas extensões do território e à diversidade de áreas produtivas, fazendo surgir regulamentos e órgãos especiais como a Mesa de Inspeção do Tabaco. A partir desta data, a legislação enfim se estabilizou e vigorou até depois da Independência.  O final da liberdade vigiada que Portugal impôs ao Brasil durante o período colonial deu grande impulso às lavouras de fumo. Tornou-se possível cultivar qualquer espécie, em qualquer lugar. Além disso, a possibilidade de comércio direto com países estrangeiros representou um grande incentivo. Nesta arrancada, que começa efetivamente a partir de 1850, as províncias que se destacavam eram Minas Gerais, Bahia e, decorrente da vinda dos imigrantes alemães, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.


FONTES: http://www.souzacruz.com.br
              
Ascensão e queda do tabaco. Revista Superinteressante. texto de Rodrigo Vergara e Manuela Aquino. 2003.

Portugal Dicionário Histórico. http://www.arqnet.pt/


CRÉDITO DAS IMAGENS: http://www.souzacruz.com.br
                                   http://www.dejardefumar.com.ar
                                   http://commons.wikimedia.org

 











Nenhum comentário:

Postar um comentário