segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

O Sistema Indiano de Castas

Purusha, deus indiano.

De forma geral, castas são grupos sociais fechados, cujos integrantes devem se comportar de acordo com normas preestabelecidas de origem religiosa. Em diversas sociedades, os indivíduos que nascem em uma camada social menos favorecida, podem, com o tempo, graças ao seu talento e esforço, alcançar uma posição social mais elevada. Esse fenômeno é denominada mobilidade social.

Na Índia, um indivíduo nascido em determinada casta deve permanecer nela até morrer. Sua posição social é definida ao nascer. As pessoas de castas consideradas inferiores, mesmo utilizando todas as suas capacidades e esforços, não conseguem chegar a uma posição social mais elevada. Essas pessoas carregam um status social herdado de seus ancestrais.

A referência mais antiga ao sistema de castas está num hino do Rig Veda sobre o sacrifício do deus Purusha, de cujo corpo teriam se originado as castas nas quais ainda se divide a sociedade indiana. De sua boca, nasceram os Brâmanes. De seus braços, vieram os Xátrias. De suas pernas, surgiram os Vaixás. E de seus pés, os Sudras. O Bhagavad Gita, fragmento mais famoso do épico Mahabharata, que provavelmente começou a ser escrito por volta do ano 500 a.C., também se refere explicitamente às castas e traz lições sobre como se comportar de acordo com sua categoria social.

No topo estão os Brâmanes, sacerdotes e mestres da erudição sacra. Abaixo deles estão os Xátrias, guerreiros que formam a aristocracia militar. A terceira casta é a dos Vaixás, formada por comerciantes, artesãos e camponeses. A base das castas é formada pelos Sudras, encarregados de cumprir trabalhos manuais e servis para as três castas superiores. Existe um grupo social considerado fora do sistema de castas. Ele é formado pelos Párias ( chamados de intocáveis). Esse grupo não possui direitos e nem profissão definida. Executam as tarefas consideradas sujas, como coletar lixo, cuidar de cadáveres etc.

O Bhagavad Gita, aliás, é considerado por muitos estudiosos do hinduísmo como uma reação dos sacerdotes (Brâmanes) às pregações budistas sobre o livre-arbítrio, que até hoje criticam explicitamente a divisão dos hindus em castas. Os Brâmanes trataram de instituir o sistema definitivamente no livro Manu Smriti, também conhecido como As Leis de Manu. Escrito a partir de 200 a.C., ele define objetivamente as castas e as atribuições dos integrantes de cada uma. Existem hoje na Índia mais de 2 mil castas.

Apesar de a Constituição indiana ter abolido o sistema de castas há mais de 50 anos, a divisão social baseada nas crenças do hinduísmo ainda persiste na Índia, que tem hoje mais de 2 mil castas e 20 mil subcastas. Determinada no nascimento, as castas se dividem em quatro classes, tomadas a partir da mais pura em direção à menos pura: brâmanes (sacerdotes), kshatriyas (guerreiros), vaishyas (camponeses) e shudras (servos).

Embora a discriminação esteja proibida, o antigo sistema hindu permanece forte e ainda causa violência nas áreas rurais. O governo indiano tentou promover alguns planos para reverter a marginalização sofrida pelos integrantes de castas mais baixas, como criar cotas nas universidades. No entanto, o projeto causou uma onda de protestos no ano passado.

De acordo com Haripriya Narasimhan, especialista em Índia do departamento de Antropologia da London School of Economics, as castas foram determinadas nas escrituras sagradas do hinduísmo, mas é difícil determinar uma data exata de quando o sistema foi adotado. As castas existem há muito tempo, mas há uns 2 mil anos não tínhamos tantas divisões como temos hoje, afirmou, por e-mail, ao Estado.

A história do hinduísmo conta que as castas foram originadas por meio do sacrifício de uma entidade espiritual chamada Purusha. Da cabeça de Purusha teriam saído os brâmanes; dos braços, os kshatriyas; das pernas, os vaishyas; e dos pés, os shudras. 

Além dessas quatro categorias, ainda existem os que estão fora do sistema - conhecidos como párias, dalits ou intocáveis. Os párias são vistos como impuros por exercerem trabalhos considerados sujos, como lavar roupa ou recolher o lixo.

Segundo Haripriya, o sistema só se tornou rígido durante o período em que o país ficou sob domínio britânico. Antes de a Índia ser colônia, a casta era apenas mais uma característica dos indivíduos da sociedade. Ela explica que o significado das castas para a sociedade indiana mudou à medida que o país progrediu.

A sociedade de castas é hierarquizada e os deveres e benefícios concedidos às pessoas variam de acordo com a posição na escala do sistema. Quanto mais baixa a casta, maiores são as restrições de movimento, de alimentação e de estudo dos textos sagrados. 

Para exemplificar essa situação, a antropóloga destaca que membros de uma casta superior não podem comer alimentos preparados por integrantes de castas inferiores, que também devem ceder espaço às castas mais altas em lugares públicos.

A maneira mais comum de diferenciar membros de castas diferentes é pelo sobrenome, mas dependendo da região do país outras maneiras de identificação também são possíveis. Podemos determinar a casta de uma pessoa pelos alimentos consumidos, dialetos falados e vestimentas ?
 
MIRANDA, Renata. Apesar da proibição, castas ainda dividem país. O Estado de S. Paulo, 19.08.07.
 
 
 
FONTES: Portal O Senado, Biblioteca digital - http://www2.senado.leg.br
                
Divisão ancestral. Revista Superinteressante. Texto de André Santoro e André Victor Santorelli. Julho de 2008.


CRÉDITO DA IMAGEM: http://arcanodezenove.blogspot.com.br

 





Nenhum comentário:

Postar um comentário