sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

As Igrejas de Chiloé

As ilhas do Arquipélago de Chiloé, sul do Chile, guardam igrejas seculares construídas em madeira. Essas obras fabulosas estão na lista do Patrimônio da Humanidade da Unesco. As igrejas da bucólica Chiloé constituem a maior riqueza cultural desse arquipélago, sendo um exemplo único de arquitetura religiosa na América. Elas são o produto final de uma tradição iniciada pelas missões jesuíticas nos séculos 17 e 18, e enriquecida pelos franciscanos durante o século 19.

Exemplos da integração da arquitetura com a paisagem, testemunhas dos valores religiosos das comunidades chilotes, elas falam da bem-sucedida fusão da cultura indígena com a européia. Para construí-las, os habitantes do arquipélago lançaram mão de suas reconhecidas habilidades de carpintaria de barcos, e aproveitaram a abundância da madeira de alerces (cipreste-da-patagônia) e de outras espécies de coníferas da região.

Das 150 igrejas ainda existentes, 60 se encontram preservadas. Dessas últimas, 16 foram escolhidas pela Unesco para serem reconhecidas como patrimônio da Humanidade. As torres das igrejas são dominantes na paisagem dos vilarejos de Chiloé. As fachadas das igrejas são adornadas por colunas e arcos com motivos que variam de uma igreja para outra. As torres podem ser compostas por três corpos distintos, algumas vezes pintados com cores fortes, como o amarelo ou o azul.

O interior dos templos normalmente compreende três espaços: a nave principal ao centro e duas outras menores, em ambos os lados. Abaixo, algumas das principais igrejas de Chiloé:

Em Chonchi


Os construtores da Igreja de São Carlos Barromeo, de 1762, em Chonchi, tiveram uma ideia original: conservar uma coluna de madeira com a pintura original que simulava o mármore. Outra curiosidade é que as paredes dessa igreja não são paralelas. A entrada é mais larga que a área do altar. Isso contribui para aumentar a sensação de espaço e de profundidade, de modo que a igreja parece maior do que é na realidade.

Em Vilupulli


Solitária, construída no alto de uma colina em 1747, essa igreja - cujo nome no idioma indígena mapudungun significa, "a colina da serpente" - possui uma das torres mais altas de Chiloé. Devido à sua proximidade do mar, os pescadores a utilizam como farol. Sua característica principal são os pilares arredondados do pórtico de entrada.

Em Nercón


Datada de 1734, a Igreja de Nossa Senhora da Graças se localiza no bairro Nercón, na cidade de Castro. Chama a atenção sua localização privilegiada, de frente para a baía, sua torre em três seções, seu jardim bem cuidado bem diante do portal de entrada do templo.

Em Castro


Conhecida por suas palafitas coloridas, a cidade de Castro possui a maior igreja em madeira do arquipélago. Datada de 1567, foi destruída várias vezes por piratas. Nos séculos seguintes foi consumida pelo fogo em 1772, 1857 e 1902. Seu projeto atual, de 1910, foi desenhado pelo arquiteto italiano Eduardo Provasoli, valorizando a nave interna, inteiramente construída com enormes vigas de madeira entalhada.


FONTE: Adaptado de Igrejas de Chiloé, texto de Heitor e Silvia Reali. In: Revista Planeta. Conheça o mundo, descubra você. Edição 420, ano 35. Setembro de 2007.


CRÉDITO DAS IMAGENS: http://viajarentreviagens.blogspot.com.br/
                                   http://commons.wikimedia.org/







Nenhum comentário:

Postar um comentário