quinta-feira, 10 de julho de 2014

A diversidade religiosa da Índia


A diversidade religiosa indiana é algo impressionante. Hinduísmo, Islamismo, Cristianismo, Sikhismo, Jainismo, Budismo e Zoroastrismo são as religiões que marcam, com milhares de deuses e deusas; líderes espirituais; templos e tradições, a vida desse imenso país. Essa quantidade de religiões se explica a partir da quantidade de povos que formaram a Índia: Povos do vale do Indo, Arianos, mongóis, europeus, etc.

O Hinduísmo é a religião predominante, sendo praticado por mais de 80% da população. Sua marca é a presença de milhares de deuses e deusas e a doutrina da transmigração das almas de uma existência para a outra; e o complexo sistema de castas, que estrutura a sociedade hindu, confinando cada indivíduo, de acordo com seus antepassados, em um grupo com obrigações e proibições distintas. A Constituição do país declara que nenhuma religião tem preferência sobre qualquer outra.

Existem mais de 75 milhões de muçulmanos no país. O Islamismo, religião monoteísta, foi criada pelo profeta Maomé na atual Arábia Saudita. Seus ensinamentos encontram-se no livro sagrado conhecido como Alcorão. Foi introduzida no país por meio das invasões mongóis.

O Cristianismo possui cerca de 35 milhões de adeptos. Os cristãos da Índia são descendentes dos casamentos realizados nos séculos 18 e 19 entre indianas e ingleses.

Os praticantes do Sikhismo são cerca de 19 milhões. Essa religião, que surgiu no século 15, é uma mistura do politeísmo hinduísta com o monoteísmo islâmico. Segundo a religião, nossa vida atual está relacionada à acontecimentos em vidas passadas. Além disso, pregam a tolerância como um meio de libertação.

A religião Budista conta com 5 milhões de praticantes. Ele surgiu na Índia no século 6 a. C., Assim como o Hinduísmo, ela acredita na transmigração das almas que evoluem de um para outro instrumento terreno; não estabelece criador ou causa primeira; e rejeita o sistema de castas.

Surgida quase que no mesmo período do Budismo, o Jainismo com cerca de 3,5 milhões de praticantes, também não estabelece um ser criador ou causa primeira para o universo e prega a reverência a todos os seres vivos.

Há ainda, cerca de 100 mil persas, descendentes de antigos seguidores de Zoroastro -, cuja religião surgiu no século 6 a. C., - que, devido a perseguições religiosas posteriores à chegada do Islamismo, se deslocaram da Pérsia para o leste, e algumas centenas de judeus, sobretudo nas grandes cidades e no sudoeste.

Uma minoria da população não segue nenhuma dessas religiões. São os povos tribais, que possuem credos animistas, venerando as forças encontradas na natureza.




FONTE: Nações do Mundo - Índia. Tradução: Gabriel Tranjan Neto. Abril Livros: Rio de Janeiro, 1988.



CRÉDITO DA IMAGEM: filosofiasdouniverso.blogspot.com.br







Nenhum comentário:

Postar um comentário