quinta-feira, 24 de julho de 2014

A morte das religiões


O homem busca, nas diferentes religiões ao redor do mundo, conforto espiritual e explicações para a dura e fascinante jornada que é a vida. É assim desde o alvorecer dos tempos: Paganismo, Judaísmo, Cristianismo, Islamismo, Budismo ,etc ; a maior parte da humanidade é adepta de alguma dessas crenças.

Com o passar dos séculos, as religiões foram perdendo seu significado original. Deixaram de confortar e ajudar as pessoas e tornaram-se poderosos mecanismos políticos, econômicos e sociais. A derrocada começa no fim da Idade Média, quando a razão e a ciência surgiram e começaram a refutar ideias aceitas pela tradição. As religiões, historicamente relutantes em aceitar o novo, não acompanharam essa evolução, continuando seus reinados de imposição e Fé cega.

Essa mudança drástica abriu as portas para uma série de aproveitadores que se autodenominam líderes espirituais, e que se aproveitam da ingenuidade e do medo de seus seguidores para garantir lucros e status social. São criadas várias denominações, a maioria com discursos materialistas e preconceituosos, além de ignorarem o bem estar espiritual de seu "rebanho", pronto para o abate mental.

Felizmente ainda existem líderes que prezam pelo bem estar de seus seguidores, os ensinando a prática de boas ações, gerando gentileza pela gentileza, sem pedir nada em troca.

As religiões devem ser analisadas com cuidado. Não podem ser tratadas de qualquer forma. Além de serem uma prática cultural do homem, elas envolvem FÉ, CULTO, COMUNIDADE, CREDO E CÓDIGO. Cada indivíduo é livre para escolher ou não uma delas, e entender a vida de acordo com seus sentimentos individuais. 

A religião deve ser adotada como um instrumento de união e amor entre os povos, e não de guerras e diferenças como ocorriam no passado. Um Cristão não é melhor que um Budista, e vice-versa. Por quê o título A Morte das Religiões? Não sou adepto de nenhuma crença, e infelizmente vejo que as pessoas cada vez mais, por causa de má interpretação e péssimas lideranças, estão mais se separando do que unindo. Isso ocasiona, aos poucos,  "morte" das religiões.

Cabe aos líderes e seguidores de cada religião resgatar o papel de união e refúgio espiritual perdido à séculos. Posso até não estar mais aqui para ver, mas tenho esperança de que chegará o dia em que as pessoas verão que a diversidade religiosa só torna o mundo um lugar melhor.












2 comentários:

  1. O ultimo paragrafo retrata bem uma realidade que nao será presenciada por essas pessoas, cegas, que hoje brigam por religiao.

    ResponderExcluir