sábado, 18 de outubro de 2014

A descolonização afro-asiática



Com o fim da Segunda Guerra Mundial e o consequente enfraquecimento das potências envolvidas no conflito, antigas colônias africanas e asiáticas começaram a contestar a dominação estrangeira. Desde o final do século 19, esses dois continentes tornaram-se alvo dos investimentos das potências imperialistas, que viram neles a oportunidade de adquirir mão de obra barata, matérias primas e novos mercados consumidores.

Vários foram os fatores que impulsionaram o processo de descolonização afro-asiática: a péssima condição de vida dos povos colonizados; o nacionalismo, ironicamente influenciado pelas ideologias trazidas pelos conquistadores; a doutrina Socialista, já no contexto da Guerra Fria, que influenciou revoluções em países como a Angola, o Vietnã e Moçambique, em oposição ao Capitalismo; o enfraquecimento das potências coloniais (Inglaterra, Alemanha, França, etc); a criação da Organização das Nações Unidas (ONU) e o "fim' do mito da superioridade racial europeia em relação à outros povos.

De 1940 a 1970 grande parte dos domínios ingleses, norte-americanos, franceses e holandeses tornaram-se independentes. Alguns processos de independência, como o da Índia, foram pacíficos; outros, no entanto, tiveram um grande derramamento de sangue. Poucas foram as mudanças nessas regiões, que continuaram sofrendo com antigos problemas, como a pobreza e a opressão, pois formaram-se elites e regimes piores que os da época colonial.

Estados Unidos e URSS passaram a ditar as regras, disputando novas áreas para expansão do Capitalismo ou para o Socialismo. Veja alguns países que se tornaram independentes nesse período: 

do Reino Unido: Índia (1947), Emirados Árabes Unidos (1971), Botswana (1966) e Gana (1957).

da França: Camarões (1960), Costa do Marfim (1958) e Marrocos (1956).

de Portugal: Angola (1975), Cabo Verde (1975) e Guiné-Bissau (1974).

da Bélgica: Burundi (1962), R.D. do Congo (1960) e Ruanda (1962).

da Holanda: Indonésia (1945).



CRÉDITO DA IMAGEM: www.grupoescolar.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário