domingo, 9 de novembro de 2014

Cai o maior símbolo da Guerra Fria

Multidão sobe no topo do Muro de Berlim, com o Portão de Brandemburgo ao fundo.

Foi há exatos 25 anos, em 09 de novembro de 1989, que o Muro de Berlim, maior símbolo da Guerra Fria, foi derrubado.

Terminada a Segunda Guerra Mundial, o mundo entrou no confronto ideológico da Guerra Fria, entre Capitalismo e Socialismo. A Alemanha, derrotada, ficou dividida, conforme o Acordo de Potsdam, entre as quatro potências vencedoras do conflito: Estados Unidos, Reino Unido, França e União Soviética. Berlim, a capital, teve o lado oriental dominado pela União Soviética, e a parte Ocidental dominada pelos Estados Unidos, França e Reino Unido.

Em 1949 são fundadas a República Federal da Alemanha (lado Ocidental) e a República Democrática Alemã (lado oriental).

O modelo econômico de desenvolvimento, as condições de trabalho e os constantes racionamentos de produtos de primeira necessidade fizeram milhares de habitantes da RDA fugirem para a RFA, que voltava a prosperar graças à reconstrução financiada pelos aliados. Em 1953, uma revolta contra as condições de trabalho foi duramente reprimida pelo Exército Vermelho, deixando centenas de vítimas.

Para acabar com as constantes fugas, o governo soviético, na madrugada de 13 de agosto de 1961, deu início à construção daquele que seria o maior símbolo da Guerra Fria: o Muro de Berlim. A construção do muro provocou reações em todo o mundo. Manifestações, embates entre tropas norte-americanas e soviéticas, etc. Ao longo de 28 anos de existência, várias pessoas foram mortas ao tentar pular o muro para o outro lado.

No final dos anos 1980, a situação econômica e política da Europa Socialista era alarmante. Mikhail Gorbachev, o último presidente da URSS, iniciou tardiamente reformas políticas (glasnost) e econômicas (perestroika). Gastos com armamentos foram cortados, importações de produtos estrangeiros autorizadas, etc. As políticas de Gorbachev deixaram o Partido Comunista dividido, contribuindo para o esfacelamento da URSS.

Um dos momentos mais marcantes, que contribuiu para a queda do muro, foi o discurso do presidente norte-americano Ronald Reagan, no Portão de Brandemburgo, em 1987.

''Damos as boas-vindas à mudança e à abertura, pois acreditamos que a liberdade e segurança caminham juntos, que o progresso da liberdade humana só pode reforçar a causa da paz no mundo. Há um sinal de que os soviéticos podem fazer que seria inconfundível, que faria avançar dramaticamente a causa da liberdade e da paz. Secretário Geral Gorbachev, se você procura a paz, se você procura prosperidade para a União Soviética e a Europa Oriental, se você procurar a liberalização, venha aqui para este portão. Sr. Gorbachev, abra o portão. Sr. Gorbachev, derrube esse muro.''

Em 09 de novembro de 1989, em meio à queda de governos socialistas em toda a Europa e manifestações contra a divisão da Alemanha, o Muro de Berlim, maior símbolo do mundo bipolar, foi derrubado por habitantes da RDA e RFA. Em 3 de outubro de 1990 a Alemanha foi reunificada. Após 25 anos de sua queda, o antigo lado socialista enfrenta problemas como altas taxas de desemprego, menores salários e inexpressividade política.


CRÉDITO DA IMAGEM: http://www.ohistoriador.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário