quarta-feira, 8 de julho de 2015

A Redenção de Cam

A Redenção de Cam, Modesto Brocos, 1895.


A avó, negra, agradece aos céus pelo neto ter nascido branco. Seu pai, branco, está sentado à porta. A mãe, mulata, segura a criança. Mas por quê a avó agradece? Seu neto não irá sofrer na pele o que seus antepassados africanos sofreram, como a escravidão e a marginalização.

O nome do quadro:

Cam, filho mais novo de Noé, foi amaldiçoado pelo pai após ter lhe visto nu: 

Gênesis 9.21–25:
Bebendo do vinho, embriagou-se [Noé] e se pôs nu dentro de sua tenda. Cam, pai de Canaã, vendo a nudez do pai, fê-lo saber, fora, a seus dois irmãos. Então, Sem e Jafé tomaram uma capa, puseram-na sobre os próprios ombros de ambos e, andando de costas, rostos desviados, cobriram a nudez do pai, sem que a vissem. Despertando Noé do seu vinho, soube o que lhe fizera o filho mais moço. Então disse: “Maldito seja [ou “será”] Canaã; seja servo dos servos a seus irmãos”. (de Voltemos Ao Evangelho)

De acordo com a Tabela das Nações, os povos eram descendentes da família de Noé, e assim estavam divididos - Europeus (Jafé), Africanos (Cam) e Árabes/asiáticos (Sem).

A criança que nasceu está livre da maldição de Cam e seus descendentes.


CRÉDITO DA IMAGEM: wikimedia

Nenhum comentário:

Postar um comentário