quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Historiadores Amazonenses

Ontem, 19 de agosto, comemorou-se o Dia do Historiador, data instituída em 2009, através da Lei N° 12. 130, de 17 de dezembro. O estado do Amazonas produziu e ainda produz grandes historiadores, que se debruçam sobre diferentes temas na História do Amazonas e da Amazônia. Escrevo um pequeno texto falando sobre alguns desses autores, suas carreiras e obras.

Arthur Cézar Ferreira Reis - foi professor, historiador e político. Nasceu em Manaus, em 08 de janeiro de 1906, falecendo no Rio de Janeiro em 07 de fevereiro de 1993. Começou o curso de Direito em Belém, concluindo-o no Rio de Janeiro, em 1927. Em 1928 retornou a Manaus, passando a lecionar História do Brasil no Colégio Dom Bosco e, em 1930, História Universal da Escola Normal. Também assumiu a função de Redator Chefe do Jornal do Comércio, dirigido por seu pai, Vicente Torres da Silva Reis. Em 1961, dirigiu o Departamento de História e Documentação do Estado da Guanabara e foi nomeado presidente do Conselho Federal de Cultura.Durante o Regime Militar foi nomeado pelo presidente Castelo Branco para assumir o governo do Amazonas, cargo que ocupou de 1964 até 1967. Principais obras: História do Amazonas, Manaus, 1931; Manaus e outras vilas, Manaus, 1934; A Política de Portugal no Vale Amazônico, Belém, 1939; Lobo D' Almada, um Estadista Colonial, Manaus, 1940; O Seringal e o Seringueiro, Tentativa de Interpretação, Rio de Janeiro, 1953. Esses são só alguns exemplos, pois Arthur Reis escreveu em toda a sua vida mais de 37 livros sobre História.



Agnello Bittencourt - foi geógrafo, jornalista, professor, político e historiador. Nasceu em Manaus em 14 de dezembro de 1876, falecendo no Rio de Janeiro em 19 de julho de 1975. Dedicou 52 anos de sua vida ao magistério, lecionando no Gymnásio Amazonense D. Pedro II e na Escola de Comércio Sólon de Lucena. Comandou a Prefeitura de Manaus entre os anos de 1909 e 1910. Foi um dos membros fundadores do IGHA, Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas, em 1917; e membro da Academia Amazonense de Letras. Escreveu os seguintes livros: Corographia do Estado do Amazonas; Fundação de Manas: Pródromos e Sequências; Bacia Amazônica: Vias de Comunicação e Meios de Transporte; Navegação do Amazonas e Portos da Amazônia; Mosaicos do Amazonas - Fisiografia e Demografia da Região; O homem amazonense e o espaço; Plantas e animais bizarros do Amazonas; Reminiscências do Ayapuá; Dicionário Amazonense de Biografias - Vultos do Passado; e Pródromos educacionais do Amazonas.



Mário Ypiranga Monteiro - foi advogado, professor, escritor e historiador. Nasceu em Manaus, em 23 de janeiro de 1909, falecendo na mesma cidade em 08 de julho de 2004. É reconhecido nacional e internacionalmente como um dos historiadores que mais contribuiu para a divulgação da História do Amazonas. Foi professor titular de Geografia Geral no Gymnásio Amazonense, escola em que concluiu seu curso em 1930, e professor de Literatura Amazonense na Universidade do Amazonas. Em 1955 se torna pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), fazendo pesquisas históricas em Portugal. Foi membro de inúmeras entidades, dentre as quais o IGHA (Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas), a Ordem dos Advogados do Brasil, a Academia Amazonense de Letras e da National Geographic. É, até hoje, o autor que mais escreveu livros sobre História do Amazonas, com quase 50 títulos publicados. Os que mais se destacam tanto pela qualidade quanto pela raridade são: O Aguadeiro, 1947; Fundação de Manaus, 1948; O Espião do Rei, 1950; A Capitania de São José do Rio Negro, 1955; O Regatão, 1957; e Roteiro Histórico de Manaus, 1969.



Aguinaldo Nascimento Figueiredo - é professor e historiador. Nasceu em Manaus em 26 de fevereiro de 1958. Leciona História na rede pública há mais de 20 anos. É, atualmente, um dos historiadores que mais vende livros de história do Amazonas. Escreveu, durante três anos, as colunas de História do Amazonas e Museu do Conhecimento, publicações dominicais do jornal "O Estado do Amazonas", o que lhe valeu Votos de Aplausos, no Senado Federal em 2004. Aguinaldo possui mais de 500 artigos publicados em diversos jornais e revistas, como Folha Comercial do Amazonas, O Estado do Amazonas e Revista Big Amazonas. Escreveu História do Amazonas, Manaus, 2000; Santa Luzia, História e Memória do povo do Emboca, Manaus, 2008; e Os Samurais das Selvas - A Presença Japonesa no Amazonas. Manaus, 2012.




Raimundo Neves de Almeida - é escritor, cronista, poeta e historiador. Nasceu na comunidade de Uruapiára, na cidade de Humaitá, em 31 de agosto de 1943. Mudou-se em 1990 para a cidade Porto Velho, capital de Rondônia. Começou sua carreira literária em 1980. É Sócio Titular da Associação dos Escritores do Amazonas e sócio cultural da Associação Internacional dos Amigos de Ferreira de Castro, em Portugal; sócio fundador da União dos Artistas de Humaitá, sócio correspondente da Academia História do Amazonas e Membro correspondente do Instituto Cultural Vale Caririense de Juazeiro do Norte, Ceará. Suas principais obras são Retalhos Históricos e Geográficos de Humaitá, 1980; Dicionário Bibliográfico de Escritores Brasileiros Contemporâneos, 1998; Na Beira do Barranco - Estórias, crendices, sentimentos e humor de caboclos do Madeira, 2005; e Escritores e Poetas Humaitaenses - Dados biográficos, 2008.




Francisco Gomes da Silva - é Promotor de Justiça aposentado, político, professor, escritor, membro da Academia Amazonense de Letras e do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas. Nasceu em Itacoatiara, em 24 de novembro de 1945. Há mais de 50 anos se dedica à pesquisa histórica sobre sua cidade natal, onde ajudou a fundar a Academia Itacoatiarense de Letras (2009). A maioria de suas obras abordam a História desse município. São elas: Itacoatiara. Roteiro de uma Cidade, 1965; Itacoatiara: Administrações municipais, realidade presente, 1970; Centenário de São José do Amatary, 1979; Cronografia de Itacoatiara (2 volumes, 1997 e 1998); Instituto Alfredo da Matta ontem e hoje: uma história de saúde pública (1955-1997), 1997; A Igreja de Nossa Senhora do Rosário de Itacoatiara, 1999; Presença do Poder Judiciário no Município de Itacoatiara, 2004; Pedro Gomes meu pai (memorial de família), 2006; Câmara Municipal de Itacoatiara (sinopse histórica), 2010; Homens, mulheres e coisas de Itacoatiara, 2013; As Pedras do Rosário; e Fundação de Itacoatiara, 2013.


Antonio José Souto Loureiro - é escritor, médico reumatologista e historiador. Nasceu em Manaus, em 06 de junho de 1940. Formou-se em Medicina na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. É membro (Presidente) do Instituto Histórico e Geográfico do Amazonas (IGHA), da Maçonaria do Amazonas, da Academia Amazonense de Letras e da Academia Amazonense de Medicina. É autor de Amazônia 10.000 anos, 1972; Síntese da História do Amazonas, 1978; A Gazeta do Purus, 1981; A Grande Crise, 1986; O Amazonas na Época Imperial, 1989; Tempos de Esperança, 1994; Dados para uma História do Grande Oriente do Estado do Amazonas, 1999; História da Medicina e das Doenças no Amazonas, 2004; O Brasil Acreano, 2004; e o Toque de Shofar.



Antonio Pacífico Siqueira Saunier - foi antropólogo, poeta e historiador autodidata. Nasceu na localidade de Santa Marta, no município de Barreirinha, em 08 de julho de 1932, e faleceu em Parintins, a 16 de maio de 1999. Filho da cidade de Barreirinha, Tonzinho de Saunier adotou Parintins como sua casa e inspiração para o trabalho antropológico e histórico. Também produziu cerca de 300 crônicas e contos baseados em mitos e lendas amazônicos. Escreveu: O Magnífico Folclore de Parintins, 1989; Várzea e Terra Firme, 1990; Saudade da Saudade, 1990; e Parintins, Memória dos acontecimentos históricos, 2003, obra póstuma.


Esses são apenas alguns dos muitos historiadores, da antiga e da nova geração, que contribuem para a História do Amazonas. Até hoje, o estado produz incríveis profissionais nessa área, sejam eles formados ou autodidatas. Posso citar também o Coronel Roberto Mendonça (n. 1946) pesquisador e historiador da Polícia Militar do Amazonas; Eylan Lins (n. 1970), professor da rede pública em Manaus e historiador sobre a cidade de Fonte Boa; e Otoni Moreira Mesquita (n. 1953) professor da Universidade Federal do Amazonas e historiador da arquitetura da Belle Époque. Seus ricos acervos, como o de Arthur Reis, que reúne cerca de 21.000 mil exemplares de livros, manuscritos e jornais, podem ser consultados em centros culturais na capital e no interior e, para os sortudos, em sebos no Centro da cidade de Manaus.


IMAGENS E FONTES: 

Jornal Gazeta de Parintins - gazetaparintins.blogspot.com
Catador de Papéis - Blog do Coronel Roberto - catadordepapeis.blogspot.com.br
Humaitá - www.humaitaweb.com.br
Itacoatiara, história e cantigas. Blog do Francisco Gomes - franciscogomesdasilva.com.br
Blog do Rocha - jmartinsrocha.blogspot.com
                                          






Nenhum comentário:

Postar um comentário