terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Hitler era descendente de negros e judeus, diz teste de DNA

Exames de DNA realizados com parentes do ex-líder nazista Adolf Hitler revelaram que ele era descendente de pelo menos dois "grupos" que desprezava

judeus e negros. Segundo a revista belgaKnack, o jornalista Jean-Paul Mulders pegou um guardanapo usado por um sobrinho-neto de Hitler que vive em Long Island, nos Estados Unidos, e mandou o material para testes. As informações são do jornalDaily Mail.
A análise da amostra levou Mulders até a Áustria, onde ele descobriu que um agricultor identificado como Norbert H. era primo do ditador. O jornalista, junto com o historiador Marc Vermeeren, encontrou também outros 39 parentes distantes de Hitler no país. Norbert H. concordou em fornecer material genético para os exames.
Utilizando as duas amostras, especialistas chegaram à forma particular do DNA, Haplopgroup E1b1b - que é rara na Alemanha e em toda a Europa Ocidental. "É mais comumente encontrado no Marrocos, na Argélia, Líbia e Tunísia", disse Jean-Paul Mulders. Especialistas suspeitam que o grupo genético seja o mesmo ao qual pertencem uma das maiores linhagens de famílias judaicas. "Pode-se dizer, a partir desta premissa, que Hitler era parente de pessoas que ele desprezava", afirmou o jornalista na revista.



De:PORTAL TERRA

Chico Mendes,um grande guerreiro

Francisco Alves Mendes Filho, mais conhecido como Chico Mendes, foi um seringueiro, sindicalista, ativista ambiental e revolucionário brasileiro. Sua atividade política visava à preservação da Floresta Amazônica e lhe deu projeção mundial. 


Iniciou a vida de líder sindical em 1975, como secretário geral do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Brasiléia. A partir de 1976 participou ativamente das lutas dos seringueiros em manifestações pacíficas em que eles protegiam as árvores com seus próprios corpos. 

Em 1977 participou da fundação do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Xapuri, e foi eleito vereador pelo MDB local.

Recebe então as primeiras ameaças de morte, por parte dos fazendeiros.

Em 1981 Chico Mendes assume a direção do Sindicato de Xapuri, do qual foi presidente até sua morte.

Em 22 de dezembro de 1988, exatamente uma semana após completar 44 anos, Chico Mendes foi assassinado com tiros de escopeta no peito. Chico anunciou que seria morto em função de sua intensa luta pela preservação da Amazônia, e buscou proteção, mas as autoridades e a imprensa não deram atenção.

"Se o Chico estivesse vivo, poderia estar hoje a contribuir (para a defesa da floresta e dos povos). Sempre foi um homem de sentimentos muito profundos. Hoje esperamos estar a contribuir para que as novas gerações conheçam um pouco os ideais e pensamento dele", afirmou Ângela Mendes, filha de Chico Mendes.



segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Cães na Idade Média

Identificados com a Peste Na Idade Média, os cães foram estigmatizados e associados à catástrofe da Peste Negra: fugia-se deles como da própria doença.

Foi nessa época que os caninos perderam o relativo prestígio de antes, já que doenças como a peste negra assolavam a Europa e eram os cães que comiam os cadáveres nas periferias das cidades. A Igreja Católica, enquanto instituição mais influente, passou a relacioná-los à morte e considerá-los criaturas das trevas. Sua mentalidade supersticiosa popularizou-os como animais de bruxas, vampiros e lobisomens. Tal influência, por incentivo da Inquisição, resultou em matanças de lobos, cães e híbridos. Indo ainda mais além, estipulou decretos que diziam que se qualquer preso acusado de bruxaria fosse visitado por um cão, gato ou pássaro, seria imediatamente considerado culpado de bruxaria e queimado na fogueira. 

Durante o Renascimento, a visão negativa sobre os cães foi desaparecendo, já que caíram no gosto dos nobres. Durante este período, os caninos eram utilizados para a caça esportiva e criados com cuidado dentro dos canis de cada castelo. Com as famílias livres para desenvolverem suas próprias raças, as variedades de cada região começaram a surgir.

Na pintura encontramos o tratamento das enfermidades dos cães de Gaston Phoebus, mostrando a atenção que recebiam na Idade Média.


domingo, 24 de fevereiro de 2013

Palácio de Versalhes: um símbolo do absolutismo

Considerado patrimônio da humanidade desde os anos 30, o Palácio de Versalhes constituiu uma das mais belas obras da arte francesa do século XVII



Localizado na cidade de Versalhes,nos arredores de Paris,o Palácio de Versalhes é um dos pontos turísticos mais visitados da França.A majestosa construção,com 2 mil janelas,700 quartos e 1.250 lareiras,foi erguida para ser a sede da corte de Luís XIV.A obra exigiu uma grande soma de riquezas para ser concluída.A principal origem dessa riqueza eram os impostos cobrados do povo.

As obras foram iniciadas em 1664.Nela trabalharam cerca de 37 mil operários,vindos de toda a França,e 6 mil cavalos foram usados para puxar os carros que transportavam as pedras,os blocos de mármore e as vigas de sustentação do edifício.Concluída a obra,em 1682,o rei Luís XIV,a família real e toda a corte instalaram-se no palácio,que se transformou no maior símbolo do absolutismo francês.

A etiqueta no cotidiano do palácio





O palácio não era apenas a sede do poder político da monarquia francesa.Lá o rei e sua nobreza realizavam diversas festas,muitas das quais duravam dias.

Tanto as grandes festas e cerimônias quanto os fatos rotineiros,como o despertar ou urinar do rei Luís XIV,eram rituais que obedeciam a severas regras de conduta.Passar diante do quarto de Luís XIV,por exemplo,exigia que o cortesão curvasse o joelho,como se estivesse diante do altar.

Cada integrante da nobreza também se diferenciava e se destacava do outro pela maneira como cumprimentava ou era cumprimentado pelo rei.As boas maneiras eram um meio de diferenciar a nobreza dos burgueses.

A moda era outra forma de distinguir os burgueses dos nobres,e ainda de diferenciar os nobres mais poderosos dos menos influentes.Ser capaz de inovar no vestuário e de ser imitado demonstrava prestígio e,acima de tudo,poder.As boas maneiras e o vestuário eram formas de mostrar a importância de cada um em relação ao rei,a figura que era,de fato,o centro das atenções.





Breve história da estátua do Cristo Redentor

O Cristo Redentor é uma estátua de Jesus Cristo, situada no morro do Corcovado (cidade do Rio de Janeiro)



A estátua do Cristo Redentor foi inaugurado em 12 de outubro de 1931. Idealizada na época da exposição do centenário da Independência, em 1921, foi construída graças a doações públicas recolhidas em todo o país. Foram precisos dez anos para que o projeto saísse do papel.

Foi a proposta do engenheiro Heitor da Silva Costa que ganhou o concurso público. A cruz no desenho original passou a ser o próprio corpo e o mundo que a estátua segurava na mão desapareceu. 

Para custear a empreitada, uma campanha de arrecadação que uniu desde os mais ricos até os índios bororós angariou o equivalente hoje a cerca de 9 milhões de reais. Então chefe do Governo Provisório, Getúlio Vargas comandou a inauguração na noite de 12 de outubro de 1931. A iluminação seria acionada da Itália, pelo cientista Guglielmo Marconi, inventor do telégrafo sem fio. O mau tempo impediu a façanha e o sistema foi ligado no local.

Antes da execução do modelo final da estátua, o escultor francês Maxmilien Paul Landowski, a quem foi encomendado o trabalho, fez diversos moldes, todos na França. Já em tamanho definitivo, as peças feitas de gesso foram divididas em dezenas de partes numeradas e transportadas de Paris ao Rio – só a cabeça tinha 50 partes.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

História dos cartões postais

O cartão-postal surgiu em 1869 no Império Austro-Húngaro. Diferenciava-se das cartas fechadas por ser utilizado sem envelope, simplificando a correspondência. O sucesso foi tão grande que logo passou a ser seguido por outros países europeus e de outros continentes. Mas foi apenas na última década do século XIX que surgiram os primeiros postais ilustrados.




(Torre Eiffel,1908)


O cartão-postal ilustrou as grandes transformações do final do século XIX, marcado pela euforia e pela crença no progresso científico e social, principalmente na Europa. O trem e o navio a vapor foram alguns dos principais símbolos dessa época. As viagens tornaram-se cada vez mais rápidas e mais frequentes, transformando o cartão-postal em um instrumento privilegiado de comunicação.

As diversas imagens retratadas no cartão-postal são importantes fontes de informação para o historiador que deseja conhecer o imaginário daquele período. A circulação desse tipo de correspondência também pode ser entendida como o início do processo de globalização da imagem.

O Brasil instituiu o cartão-postal pelo Decreto nº 7695, de 28 de abril de 1880, proposto pelo Ministro da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, conselheiro Manuel Buarque de Macedo.

Segundo Vossa Majestade Imperial se dignará ver, a primeira de tais alterações é a que estabelece o uso dos bilhetes-postais geralmente admitidos nos outros Estados e ainda em França, onde aliás houve durante algum tempo certa repugnância ou hesitação em os receber; os bilhetes-postais são de intuitiva utilidade para a correspondência particular, e, longe de restringir o número de cartas, como poderá parecer, verifica-se, ao contrário que um dos seus efeitos é aumentá-lo. Na ocasião ocupava a Direção da Repartição dos Correios, Luís Plínio de Oliveira, nomeado para o cargo em 1865, depois de ter publicado três anos antes, o “Relatório sobre a Organização dos Correios da Inglaterra, França e Azerbaijão”.


(Rua da Installação, Manáos, 1903)


(Parque do Anhangabahu, São Paulo,1924)











segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

A Arábia e os árabes

A diversidade geográfica da Península Arábica possibilitou formar tribos árabes com culturas e economias diferentes.

A Península Arábica

De Coleção Araribá, V. II.

Os povos árabes são oriundos da Península Arábica.Eles falam o árabe,uma língua semita que tem a mesma origem da língua dos hebreus.




Geograficamente,podemos dividir a Península Arábica em duas partes: uma dominada por desertos,dunas e oásis,e outra situada nas regiões costeiras,banhadas pelas águas do Mar Vermelho e do Oceano Índico.Essa distinção geográfica marcou as diferenças entre os povos da Antiga Arábia,pois influenciou diretamente o desenvolvimento das atividades econômicas e culturais.

O DESERTO E AS TRIBOS NÔMADES


Grande parte da Península Arábica é até hoje coberta por desertos e pontuada por oásis,pequenas áreas servidas de fontes de água que possibilitam desenvolver a agricultura.Nos oásis pratica-se a agricultura,favorecida pela fertilidade do solo.

Os grupos humanos que habitavam o deserto não tinham unidade política,a maioria vivia dispersa,cada grupo com suas leis e chefes tribais.Chamados de beduínos,andavam pelo deserto em grupos armados,controlando a vida dos agricultores e artesão do oásis.Criavam camelos,carneiros e cabras,animais capazes de suportar o clima quente e seco do deserto.



A COSTA E AS CIDADES


As regiões banhadas pelo Mar Vermelho e pelo Oceano Índico foram chamadas pelos romanos de Arábia Feliz (Yemmen,em árabe) por serem mais chuvosas e férteis.Essa condições possibilitaram um desenvolvimento maior da agricultura e do comércio,além da formação de vilarejos.



Comerciantes e artesãos moravam em vilarejos onde se realizavam feiras periodicamente.Algumas dessas feiras,com o passar do tempo,tornaram-se permanentes,transformando-se em cidades





MECA E A RELIGIÃO DOS ANTIGOS ÁRABES


Até o século VII,a religião desses povos era politeísta e fetichista (cultuavam objetos considerados sagrados).Acreditava-se que deuses se incorporavam em pedras ou árvores e que espíritos bons e maus manifestavam-se na forma de animais.



O principal centro de culto e peregrinação dos árabes localizava-se na cidade de Meca,onde havia um santuário conhecido como Caaba.No interior da Caaba ficavam centenas de símbolos religiosos de todos os clãs.Dentre esses símbolos,destacava-sem a Pedra Negra,que,segundo a tradição,era branca,mas escureceu devido ao pecados humanos.



A intensa prática religiosa realizada em Meca transformou-se em um centro comercial para todos os povos árabes.Isso estimulou ainda mais a peregrinação até a cidade e o seu desenvolvimento comercial.



Os guardiões de Meca eram os integrantes da tribo dos coraixitas,que controlavam as atividades econômicas da cidade.









Estilos arquitetônicos da Idade Média

A arquitetura é uma manifestação artística que expressa tanto a sensibilidade do arquiteto quanto as condições sociais, econômicas,políticas e culturais de uma época e um lugar


Do estilo Românico...

As construções românicas,surgidas na Itália,tinham uma estrutura austera e maciça.O fato de possuir poucas janela mostra uma construção que isola seu espaço interno do mundo exterior.O estilo era típico de uma época em que o poder real era frágil e a população vivia sob o medo da violência.

A Igreja românica de San Martín de Fromista,construída entre 1066-1110,pode ser observada no Caminho de Santiago de Compostela,Espanha.

ARCO DE VOLTA PERFEITA- É caracterizado por sua forma de semicircunferência.

PAREDES- Em sua maioria são maciças e robustas para se defender de ataques externos.

...Ao estilo Gótico

O estilo gótico revela uma mudança expressiva em relação ao românico.Ele surgiu no final do século XII,na França,e de lá se difundiu por toda a Europa.Os elementos que inspiraram esse movimento artístico foram,ao mesmo tempo,a religiosidade do homem medieval e a crescente valorização da vida terrena como um caminho para a salvação.

A Catedral de Reims,construída entre 1211 e 1311 na França,é um dos exemplos mais representativos do estilo gótico.

VITRAIS- A grande quantidade de vitrais foi importante para dar maior luminosidade ao interior das catedrais.

PINÁCULO- A altura do pináculo foi o elemento que melhor demonstrou a verticalização da catedral gótica.

ARCOBOTANTE- Fundamental na sustentação de uma catedral verticalizada e de paredes menos maciças.

ARCO OGIVAL- A forma ogival possibilitou vão mais altos









Anúncio de renúncia do Papa Bento XVI


Papa fez o anúncio pessoalmente nesta segunda-feira (11).
Pontífice afirmou que vai deixar o cargo por causa da 'idade avançada'.


CIDADE DO VATICANO, 11 Fev (Reuters) - O papa Bento 16 surpreendeu o mundo nesta segunda-feira ao dizer que renunciará como líder da Igreja Católica em 28 de fevereiro por não ter mais as forças necessárias para realizar os deveres de seu ofício, tornando-se o primeiro pontífice desde a Idade Média a tomar tal decisão.
O papa alemão de 85 anos, visto como um herói por católicos conservadores e com suspeição por liberais, disse ter percebido que sua força se deteriorou nos últimos meses.
O porta-voz do Vaticano padre Federico Lombardi disse que o papa não está renunciando por "dificuldades no papado" e que a decisão foi uma surpresa, indicando que mesmo os auxiliares mais próximos não sabiam que ele estava para deixar o cargo. O papa não teme uma cisão na igreja após sua renúncia, disse o porta-voz.
A liderança de Bento 16 sobre 1,2 bilhão de católicos foi marcada por uma crise a respeito de abuso sexual de crianças que abalou a igreja, por um discurso que desagradou muçulmanos e por um escândalo envolvendo o vazamento de documentos privados através de seu mordomo pessoal.
Em um comunicado, o papa disse que para governar "tanto a força da mente quanto do corpo é necessária força que nos últimos meses tem se deteriorado em mim ao ponto de ter que reconhecer a minha incapacidade de realizar adequadamente o ministério que foi confiado a mim".
"Por esta razão e consciente da seriedade deste ato, em completa liberdade, eu declaro que renuncio ao ministério de Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro", disse o papa, de acordo com um comunicado do Vaticano.
O último papa a renunciar voluntariamente foi Celestino 5o, em 1294, depois de liderar a Igreja Católica por apenas cinco meses. Sua renúncia foi conhecida como a "grande recusa" e foi condenada pelo poeta Dante na "Divina Comédia". Gregório 12o abdicou de forma relutante em 1415 para encerrar uma disputa com outro rival pelo cargo.
"SEM PRESSÃO EXTERNA", APENAS AVANÇO DA IDADE


Antes de ser eleito papa, o cardeal Joseph Ratzinger ficou conhecido por alguns críticos como o "rottweiler de Deus", por causa de suas posições teológicas rígidas.
Nos últimos meses, o papa se mostrava cada vez mais frágil em suas aparições públicas, muitas vezes precisando de ajuda para caminhar.
Lombardi descartou depressão ou incerteza como causas para a renúncia de Bento 16, dizendo que a decisão não ocorria por nenhuma doença específica, apenas pelo avanço da idade.
O papa mostrou "grande coragem, determinação" e consciência dos "grandes problemas que a igreja encara hoje", disse Lombardi, acrescentando que o momento da renúncia reflete o desejo do papa de evitar os compromissos exaustivos das celebrações da Páscoa.
Não houve pressão externa e Bento 16 tomou sua "decisão pessoal" nos últimos meses, acrescentou o porta-voz.
VISITA AO BRASIL?
O papa Bento 16 era aguardado no Rio de Janeiro em julho próximo na Jornada Mundial da Juventude, evento que vai reunir milhões de jovens católicos do mundo inteiro.
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) espera que a primeira viagem internacional do novo papa seja ao Rio, disse o secretário-geral da instituição, dom Leonardo Ulrich Steiner.
"Vamos rezar para ter a presença do novo santo padre na Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro", disse ele em entrevista à Reuters.  

Sobre a renúncia de Bento 16, dom Leonardo afirmou que, apesar de receber a notícia com surpresa, uma recente visita do papa ao túmulo de Celestino 5o já havia levantado dúvidas.
"Quando ficamos sabendo da visita, ficamos nos perguntando se havia uma surpresa. Sobre a renúncia em si, acho que o santo padre agiu de maneira consciente. O motivo, de não ter forças, é válido", disse dom Leonardo.
REPERCUSSÃO
O rabino chefe de Israel, Yona Metzger, elogiou o diálogo inter-religioso promovido pelo papa e disse que as relações entre Israel e o Vaticano nunca foram melhores.
A chanceler alemã, Angela Merkel, disse que a decisão do papa precisa ser respeitada se ele se sente fraco para continuar com suas tarefas.
O primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse: "Ele será lembrado como o líder espiritual de milhões".
O porta-voz do Vaticano disse que o pontífice irá renunciar às 17h (horário de Brasília) do próximo dia 28, deixando o posto vazio até que um sucessor seja escolhido.
Bento 16 foi eleito para suceder João Paulo 2o, um dos pontífices mais populares da história. Ele foi escolhido em 19 de abril de 2005, quando tinha 78 anos, 20 anos mais idoso que seu antecessor quando foi escolhido.

VIA: REUTERS BRASIL


sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Nova pesquisa reforça a tese de que dinossauros foram extintos após asteroide


Cientistas concluíram que data de extinção dos dinossauros é compatível com a da colisão de um asteroide com a Terra no Golfo do México



É fato sabido que os mamíferos só conseguiram "dominar o mundo" depois que os dinossauros foram exterminados. E que a extinção dos dinossauros aconteceu em um período conhecido como a "fronteira do Cretáceo-Paleógeno", ocorrido cerca de 65 milhões de anos atrás. A causa exata da morte dos dinos, porém, ainda é tema de grande debate na comunidade científica. Umanova pesquisa, realizada nos Estados Unidos, veio para colocar ainda mais lenha na fogueira. 
A popular história de que os dinossauros foram exterminados pelo impacto de um grande asteroide é bem mais complexa do que parece. A maioria dos cientistas acredita que isso, sim, foi um fator determinante. Mas há uma série de dúvidas sobre o momento e o local exatos desse impacto; e se ele foi o único ou apenas um entre vários culpados para a grande extinção.
Estudos anteriores já sugeriram que a idade da famosa cratera de Chicxulub, no Golfo do México, coincide com a da fronteira do Cretáceo-Paleógeno. A cratera teria sido formada pelo impacto de um asteroide de 10 km de diâmetro, apontado por muitos cientistas como o evento que decretou a morte dos dinossauros – ainda que outros fatores, como atividades vulcânicas, tenham contribuído para a situação caótica do período. 
Há anos, porém, uma equipe da Universidade Princeton, nos Estados Unidos, defende que o impacto de Chicxulub ocorreu 300 mil anos antes da fronteira do Cretáceo-Paleógeno e, portanto, não teria nenhuma relação com a extinção dos dinossauros. Para Gerta Keller, coordenadora da equipe, o extermínio foi causado por uma série de erupções vulcânicas ocorridas na região do planalto de Deccan, na Índia.
Um estudo publicado na edição desta sexta-feira (8) do periódico Science, realizado na Universidade da Califórnia em Berkeley, reforça a hipótese predominante, de que as datas da cratera de Chicxulub e da fronteira do Cretáceo-Paleógeno são, sim, compatíveis, com uma margem de incerteza de "apenas" 32 mil anos.
"O impacto de Chicxulub aplicou um golpe decisivo em ecossistemas que já estavam criticamente estressados", escrevem os autores. Eles não negam uma possível influência das erupções de Deccan, mas dizem que a datação delas ainda é incerta.



Quadro de Delacroix é vandalizado por mulher no Louvre

O incidente ocorreu pouco antes do fechamento do museu, inaugurado em 4 de dezembro em Lens.



O famoso quadro “A Liberdade Guiando o Povo”, de Delacroix, foi vandalizado por uma mulher no museu do Louvre em Lens, no norte da França, anunciou este estabelecimento cultural. A mulher, que visitava na tarde de quinta-feira esta nova sucursal do Louvre em Lens, escreveu uma inscrição na parte de baixo do quadro com um marcador negro, antes de ser detida por um guardião do museu e por outro visitante, indicou o comunicado.
O incidente ocorreu pouco antes do fechamento do museu, inaugurado em 4 de dezembro em Lens, uma das zonas mais castigadas economicamente no país.
A mulher, de 28 anos, foi entregue à polícia, que a deteve para interrogatório.
Este quadro, um dos que atraem mais visitantes ao Louvre, foi transferido a Lens em dezembro, poucos dias antes da inauguração da nova sucursal do museu.
“À primeira vista, a inscrição, superficial, poderá ser limpa facilmente”, indicaram o museu do Louvre parisiense e sua sucursal em Lens.
O diretor do departamento de pintura do Louvre, Vincent Pomarède, viajará nesta sexta-feira a Lens para examinar os estragos, e uma restauradora viajou ainda na quinta-feira para fazer uma primeira avaliação, indicou o museu.


sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

O Renascimento Cultural

Renascimento Cultural foi um movimento laico (não eclesial), racional e científico ocorrido na Europa entre os séculos XIV e XVI, que influenciou profundamente o mundo ocidental desde então. Mas em que consistia este movimento e por que foi tão importante?



A importância do Renascimento se deu principalmente pelo fato de ter sido apresentado como uma ruptura com o mundo medieval que estava agonizando na Europa, pautando suas características na cultura greco-romana da Antiguidade Clássica. Dessa forma, o Renascimento foi uma ruptura com a Idade Média, mas que dependeu do trabalho de muitos eruditos deste período para florescer, devido ao trabalho de preservação e reprodução das obras dos pensadores da Antiguidade.
Em contraste com a Idade Média, que produziu uma cultura profundamente religiosa, o Renascimento tinha como elemento central o Humanismo, que valorizava o ser humano, a criação privilegiada de Deus. Dessa forma, o Renascimento pregava oantropocentrismo, que consistia em entender o universo tendo o homem como seu centro, e não mais Deus, como pregado pelo teocentrismo medieval. Frente a esse entendimento do mundo, o homem deveria usar sua razão para conhecer a natureza e as demais coisas existentes. A razão seria ainda um dom de Deus, que aproximava o homem dele através da criatividade e da genialidade, assemelhando as capacidades de ambos, já que Deus criou o homem, o homem poderia criar uma infinidade de coisas.
O Renascimento se desenvolveu primeiramente em algumas cidades italianas, propagando-se posteriormente para o resto da Europa, esse movimento se desenvolveu em várias áreas do conhecimento. Na ciência, destacaram-se Nicolau Copérnico(1473-1543), Giordano Bruno (1548-1600) e Galileu Galilei (1564-1642) pelo desenvolvimento da teoria heliocêntrica, cuja ideia se baseava na centralidade do Sol no universo. Essa ideia era contrária a da igreja que acreditava desde a Antiguidade que a Terra era o centro do universo. Essa concepção ilustrou o renascimento científico, retirando a explicação do mundo e da natureza das mãos da igreja, buscando explicações através de experimentos e do uso da razão.
Na arquitetura, destacou-se Filippo Brunelleschi, que passou a utilizar o cálculo matemático como base de projetos de construção, retomando aspectos arquitetônicos greco-romanos. Na área da política e da organização do Estado, temos Nicolau Maquiavel (1469-1527), que escreveu O Príncipe, uma obra em que ele deu orientações de como um monarca deveria governar para manter um poder forte e centralizado. O termo maquiavélico surgiu do nome desse pensador, apesar de hoje se referir a um aspecto negativo.
Na Literatura, vários foram os escritores que se destacaram, como Dante Alighieri(1265-1321) com a obra A Divina ComédiaErasmo de Roterdã (1466-1536) com oElogio da LoucuraRabelais com Gargantua e PantagruelWilliam Shakespearecom muitas peças teatrais, dentre vários outros.
Mas a área da produção artística que mais enche os olhos dos observadores contemporâneos são as pinturas e as esculturas produzidas no período. Pode-se destacar Leonardo da Vinci, com uma grande variedade de atividades, sendo a principal obra a Monalisa. Tem-se ainda Sandro Botticelli, com a genial obra Nascimento de Vênus, em que mistura elementos pagãos e religiosos, nessa obra sua busca pela beleza alcançou o ponto máximo. Há ainda Michelangelo Buonarotti, que trabalhou como pintor e escultor, sobressaindo o teto que pintou na Capela Sistina, no Vaticano, e a escultura Pietá, em que Maria tem nos braços seu filho Jesus. Por fim, pode-se ainda falar de Piter Brueghel, que retratava temas do cotidiano da sociedade, incluindo festas populares e os homens do povo, como é possível ver na tela Dança dos Camponeses, de 1568.